Fogo que arde sem se ver...

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Minha escuridão total, meu vazio
Sete palmos acima, a frente ou abaixo
Nenhuma diferença faz

Luz do fogo revela minha face decadente
Cético? Não, Sou apenas descrente

Labaredas que me tornam mais frio
Antitético? Quem sabe um pouco diferente

Ódio incandescente arde e me consome
E quando caio, nem tento chamar por um nome
Pois estou sufocado demais para poder gritar

Em queda livre, sem chão, sem ar
Não tenho em quem segurar, onde me apoiar

Silêncios, silêncios nunca traduzidos
Falam e falam, mas impedem olhos e ouvidos
Pois não querem aceitar o que vem de fora

É fácil falar e não querer ver e ouvir
É dificil aceitar a realidade como ela é

Abrasada raiva que rasga o que resta em mim
Pendor esse que não tem fim

Ninguém se importa, as pessoas são assim
Toda consideração é apenas ilusão
Ardor esse que não tem fim..

Cético? Poético? Patético?
Lados de um dado, revelados

Não há mais esperança, por mim, queimada foi
Mas ainda é cedo para poder ter medo
Espere pelo calor do dia

Amanhã será o mesmo dia de ontem, de hoje
Amanhacerá meu mundo com tons de cinza
E o fogo se apaga, se acaba em cinzas

2 surtos poéticos/patéticos:

Christiane disse...

é, eu boto fé :)
;*

Eu disse...

arrasou! a foto ficou perfeita tb