Ode a boemia

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009
Nada mais vivo
que a asfixia
do alcatrão

Nada mais libertinoso
do que o gosto
da sedução

Nada mais incendiário
do que a mente
numa prisão

Nada mais... morto
que o silêncio
do meu caixão


Por Burbura

2 surtos poéticos/patéticos:

chora rita disse...

que d+

Renato disse...

TA KIL PARIU!

viva a cachaçada

HAIOUAHIUHAOIUHAIOUHAOI